quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Praieiro

Na noite passiva
da brisa passada
em que horas passavam
(me passando tanta coisa)
tudo era tão possível
quanto passageiro.

Ígor Andrade



____________________________________________________________________

Um comentário:

Lou disse...

Na efemeridade da brisa e da noite a sublime e imortal poesia... Abçs