sábado, 30 de janeiro de 2010

Sinceramente (este poema pode mudar)

Eu preciso de terapia.
Não sei se tudo está estranho
ou se eu logo estranho tudo.
Contemplo um tempo
que não existe
lendo um poema velho
perdido
sem graça.

Eu preciso de terapia
de terra fria
e vento quente.
Qualquer pessoa mente
e quanto mais alguém se aproxima de mim
mais me distancio.

Eu preciso de terapia
para me enganar
para enganar
para deixar de ver a vida passar
passando na vida
vendo o que deixo de fazer.

Eu preciso de terapia
de ajuda
de gente desconhecida
de busca
de silêncio nos olhos.

Eu preciso de terapia
de ter cuidado
e ser cuidado.
Uma causa nova
não seria mau
não seria mesmo
e eu não seria o mesmo.

Eu preciso de terapia
de mais poemas
e outro dia
de encontros
e confrontos.

Tudo hoje está calmo demais
parado demais
vazio demais
e eu não preciso de terapia.

Eu não preciso de terapia.

Eu não preciso de terapia.



Ígor Andrade

___________________________________________________________________

7 comentários:

Camilla Andrade disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Renata disse...

Eu já estava com saudades dos teus poemas :)

"Eu preciso...
de ajuda
de gente desconhecida
de busca
de silêncio nos olhos."

Eu também, Ígor, eu também...

Fabio Rocha disse...

Lindo poema (inversão perfeito no final) e lindo o comentário da Camilla... Não se cobre tanto. ;) Poesia salva!!

Marcelino disse...

Gosto muito desses textos mais encorpados, que não perdem o ritmo; o final deste aqui me lembrou o poema do Tejo do excelente Fernando pessoa,em que se apresentam dois discursos.
Um grande abraço.

Cosmunicando disse...

poesia, meu caro, é pura terapia :)

S.L. disse...

Eu preciso de terapia... pra nada... e pra tudo que disseste. E ainda mais. Entretanto, nossas pelavras descarregam nosso desespero interno, ou seja, terapia! Beijo amigo.

Aline disse...

Falta-me palavras para comentar este singelo poema! Simplesmente ADOREI. Muito bom. Me identifiquei.. porque, afinal, todos nós, no fundo precisamos de qualquer terapia para amenizar certas angústias.