quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Medo-mudo

Sonhei que estava sem voz
e não conseguia escrever.
Ao invés de acordar
querendo falar
levantei calado
sem as mãos.



Ígor Andrade

_____________________________________________________________________

7 comentários:

S.L. disse...

Certamente, um grande drama: sem voz e sem as mãos! As duas maiores formas de expressão! Beijo meu grande amigo!!!

dila disse...

Às vezes me sinto assim acordada.
Que bom que ainda tinha os pensamentos!

Muita Luz!

Ju Fuzetto disse...

Profundo Igor!!!!!

abraço

Adriana Godoy disse...

Fico um tempo sem vir até aqui e adoro quando venho. Encontrar esses poemas seus é um delírio. beijo

Renata disse...

Genial teu poema, Ígor!

Fabio Rocha disse...

Adorei esse! A imagem, o sonho, tudo... Abração, brow

Caio Rudá disse...

Isso é insólito.