quinta-feira, 19 de maio de 2011

Enfim trinta

Escrevo na simplicidade
desta hora morta.
Um poema abre a porta
e me deseja felicidade.

Feliz idade
é a do nascimento.
De lá pra cá
a graça está
em criar o caminho.

Quem segue sozinho me entende.
Quem segue acompanhado e contente
me entende também.

O tempo passa
e não pára
mas este poema
não morre.



Ígor Andrade

_________________________________________________________________

3 comentários:

PauloSilva disse...

Tempo escasso de palavras profundas.

Marcelino disse...

Você faz aniversário e nos presenteia com este texto.

Luiz Libório Alves disse...

Tão livre... Escrevi uma coisa pra você irmão. Abraço!

http://pobrebicho.blogspot.com/2011/05/prigor.html