terça-feira, 7 de setembro de 2010

Toda tarde

Toda tarde
me ultrapasso.
Não porque quero
mas porque posso.

Não ir além de mim
se todo horizonte for finito
é permanecer na tarde
sem entrar na noite.

Toda tarde
me "ultrapássaro"
(e não criei esta palavra agora
a conheci em algum lugar
em outra perdida hora)
porque aprendi a voar
sozinho.

Toda tarde
eu sou tardio
e me ultrapasso
porque penso no agora
como um amanhã sem fim.



Ígor Andrade

_________________________________________________________________

4 comentários:

Fabio Rocha disse...

Cara, belo poema. Ultrapássaro é o melhor neologismo que já vi, gruda na alma, já usei em uns 2 ou 3 poemas também, mas é de Amanda Vaz Teixeira, em breve no Brasil... :)

Ígor Andrade disse...

Ah então vi esta palavra no teu blog, parceiro. Um belo neologismo!

Cosmunicando disse...

poemaço, poemapássaro!!!
lindo demais :)
bjos

Marcio Nicolau disse...

Ígor, o poema transmite a sensação exata de diálogo interno e traduz o questionamento acerca do predomínio da mente. Bem interessante.

Um abraço.