quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Lenta mente

Lentamente
me despeço da tarde
esperando uma noite
que provavelmente não terei.

Tudo parece estranho e errado demais.

Levo horas pensando
em como devo deixar
de levar horas pensando
para não chegar a lugar algum.

A vida é tão comum...
A vida é tão comum...
A vida é tão comum...

Você nasce, cresce e morre
e no meio disso escreve poemas
para quase ninguém ler.

Lentamente
me despeço da tarde
com o pôr do sol
nos olhos
e um oceano quieto
no peito.

Sinto um sono medonho
mas não vou dormir.



Ígor Andrade

_________________________________________________________________

6 comentários:

Nadine Granad disse...

Mentes aceleradas deixam a mente lenta... rs... sensação de abismo, por mais contraditório que seja!...

Não sei... só sei que foi assim... ;)


Sempre mágico!

Beijos =)

dade amorim disse...

Uma linda descoberta, este blog e seus poemas.
abraço, Ígor

Ígor Andrade disse...

Abração, Nadine!

Ígor Andrade disse...

Valeu, Dade. Volte sempre!

Odair Ribeiro disse...

Visita! Muito bom poeta!

Abração! Vou, volto!

Ígor Andrade disse...

Volte, Odair. Valeu. Abraço!