terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Há um poema hoje
com o nome tarde.
Há um poema
hoje à tarde
com o nome noite.
Há um poema
onde há tarde
e arde.
Há um poema tarde
e há um poema antes.



(O nome da minha tarde hoje é poema
pôr do sol sem nome
que põe no céu dilema
e põe no fim a fome.)



Ígor Andrade

__________________________________________________________________

14 comentários:

Cosmunicando disse...

meus eus!!
isso tá simplesmente demais... ai como eu queria ter escrito =)

abração, poeta!

S.L. disse...

Na verdade há tardes e tardes, mas numa dessas, vc descobre que nunca é realmente tarde. A noite sempre segue... Beijo meu.

glória disse...

igor, os seus poemas estão cada vez mais rarefeitos, leves como a pluma. sem o peso das palavras-cancelas de sentimentos. gostei muito. bjs

Déa Paulino disse...

O tempo do poema é sempre, como ele mesmo, presente.
Abracinho!

Adrianna Coelho disse...


lindo demais, ígor!

lindo demais!!

beijos

Pan y vino disse...

Esse foi como um presente dado sem outra intenção q ñ seja o dar-se,muito bom, meu preto, muito bom. Leo Abraão do blog Bicho de 7 cabeças entrou em contato contigo, sobre a idéia da publicação de um livro só com poemas de blogueiros? eu tomei a liberdade de falar teu nome.

Tata disse...

MEODEUS!!!!!JEZUISZINHOAMADO!!!

COISA MAIS LINDA ESSA ÍGOR!!!!

Parabéns! Clap clap clap!!!!

Divinamente bem escrito!
bjinhos

ลndreia disse...

Está muito giro... *

Emanuel Azevedo disse...

De muito bom gosto.
Um trabalho fantástico este teu blog, parabéns! Um forte abraço de Angra do Heroísmo.

Lou disse...

Um belo poema em minha tarde!! Muito bom, Ígor!

Abraços,
Lou

Pequena Poetiza disse...

lindíssimo
seja tarde ou dia
sempre é hora de se poetizar
e sempre se é um bom tema para colorir os versos

Camilla disse...

Tenho a leve impressão de que já comentei esse poema, tão leve como a brisa que bate no meu rosto.

Tainá :) disse...

Que lindo!

Precisamos de poetas. E você - meu Deus! - é um, de fato. MARAVILHOSO!

Deise Anne disse...

o por do sol deflagra a duvida e a fome...

vc tem fome de quê?

adorei o poema!