terça-feira, 11 de outubro de 2011

Do meio pro fim

Um quarteirão
outra história.

Saio do prédio
ainda dormindo
o juízo sumindo
tudo meio médio.

Mas vou.

(Vou pra onde?)

A escola vizinha
para crianças com autismo
comemora o capitalismo.

Feliz dia das crianças
sem amanhã!

Esta manhã
deveria ter sido dormida
como se não houvesse hoje.

Ninguém entende que estas crianças
são adultas demais para entender qualquer presente
dado ou vivido
e que estas crianças
são crianças demais para entender qualquer futuro
fadado ou sofrido.

Um senhor passeia
com dois chihuahuas
sem coleira alguma.

Me sinto preso!

Tudo que peço
nessa vida
é um pouco de inspiração.

Acabou o quarteirão.

Um rato morto
na esquina
sou eu.



Ígor Andrade

_________________________________________________________________

6 comentários:

Dan Porto disse...

Deliciosamente urbano, deliciosamente poético e deliciosamente poesia, meu caro poeta.

Vênus, Vanessa. disse...

Gostei daqui. Incrível texto.

MeandYou disse...

Igor,
Mais inspiração impossível!
lindos versos!
abraço carioca

Fabio Rocha disse...

caracoles, voltei bem na hora de uma obra-prima!!

orgulho de vc, manobrow!!

Lai Paiva disse...

Muito bom Ígor. Beijão.

Ígor Andrade disse...

Valeu, gente!
Abraços!