domingo, 16 de janeiro de 2011

Talita me sorriu na porta da cozinha

Achei uns rabiscos
de um poema feito para Talita.

Pequena frase
que martela meu juízo:
"Talita me sorriu
na porta da cozinha;
Talita engomava
a camisa do meu irmão."

Hoje procuro Talita
na cozinha vazia
nas lágrimas de meu irmão.

Separados
se separaram
separação.

Talita escolheu outro caminho
segue sozinha com seus conflitos.

Talita segue...

Talita segue?
Não, Talita está parada
antes mesmo da largada.
Talita parou surpreendentemente
antes de entrar na igreja.

Que assim seja
que seja assim.

O amor é enfim
o começo
e o crescimento
e chega ao berço
do fim.

Acabou.

Talita naquele dia passava.
Talita naquele dia amava.
Talita hoje passou
como a primavera.

Folhas secas
que o vento se encarrega
de levar.



Ígor Andrade

_________________________________________________________________

4 comentários:

Lu Tostes disse...

"No fim tu hás de ver que as coisas mais leves são as únicas
que o vento não conseguiu levar:

um estribilho antigo
um carinho no momento preciso
o folhear de um livro de poemas
o cheiro que tinha um dia o próprio vento..."

Mario Quintana

http://quintaneandoeoutrosgerundios.blogspot.com/2010/12/o-que-o-vento-nao-levou.html

Talvez Talita ainda sorria na porta da cozinha... lembrada pelo vento que ainda carregue o cheiro dela... :)

Ígor Andrade disse...

É Lu, talvez...
Abraço!

Tania regina Contreiras disse...

Reencontrar um poema às vezes é um susto, às vezes o continuar de um caminho. Quem sabe ela esteja bem ali e tudo continue com um novo fim? :-)
Beijos

Ígor Andrade disse...

É, quem sabe, Tania.
Tudo sempre continua com um novo fim.
Abraço!