sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Coceira Ocular

A tarde quente
e o sono que não durmo
presente.

A cefaléia do passado.
O suco de manga gelado.
Algo me dói o dente.

Eu me sinto desocupado
e a tarde é quente.
Preciso do ar
que não sei encontrar.

Tudo e qualquer coisa hoje
me incomoda.
Escrever este poema me acomoda.
Eu desejo o que não sei explicar.

O carro barulhento
na rua suja.
O povo barulhento
na rua suja.
O maldito calor.

E eu que seja...
E eu que veja...
E eu que dor...

Tudo está errado.
Eu me sinto errado.
O dia parece errado.
Hoje até o certo é errado.



Ígor Andrade

_________________________________________________________________

Um comentário:

Luiz Guilherme Libório Alves disse...

Me lembrou Pessoa, não na forma, no sentir...

Admirado, Ígor.