sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

A tarde de sexta



A tarde de sexta
parece a noite de sábado.
E eu sempre me sentindo madrugada de domingo...


Caminho por este mundo redondo
que me deixa quadrado
na cegueira de tantos ângulos.


É tarde, e nesta tarde me sinto cedo.
Cedo este poema para a eternidade.
Eterna idade aquela que eu tinha
quando guerreava com meus bonecos de soldado.
Enfim, minha guerra continua.
As palavras são as armas de hoje.


Disparo o olhar
que é tudo que tenho
sem atingir uma alma sequer.


Aprendi a olhar sem os olhos
assim como aprendi a voar com as mãos.


Minha vida cheia de pausas
e extremidades.
Entre a caminhada sob este sol
e a vontade de voltar pra casa só 
escrever é tudo que tenho.


O bar em frente ao banco 
celebra o encontro
toda sexta, de senhores velhos amigos.
E eu me pergunto: 
" - Até quando tanto sofrimento?"
Me irrito por pouco
e todo pouco no fim
será o muito que tenho.


Sempre serei um homem de poucos amigos.
Sempre serei um homem de amigos poucos.


As garotas da lanchonete da esquina arrumam as mesas e cadeiras na calçada.
Nunca comi uma pizza de lá.


Observo demais e absorvo de menos.
Absorto e demasiado é o tempo que penso não ter.


Ontem conversei com uma amiga
sobre a percepção.
Hoje percebo uma amiga 
que conversa sobre o agora.
A confusão sou eu.
Não posso falar do amanhã 
se o ontem ainda existe.


Um carro bateu numa moto.
Não teve nenhum morto.
O sinal quebrou
e o povo não tem paciência.


A ciência do meu caos é o que ninguém explica!


Meu imediatismo de hoje diz que devo
perseguir o traço
e escrever pro cansaço.
Não desejo esquecer o pouco que tenho
e hoje, a tarde de sexta é tão minha que não consigo explicar.




Ígor Andrade

_______________________________________________________________________________

8 comentários:

Contradita disse...

Admiro quem consegue traduzir o cotidiano, alcançar nele os sentimentos, sentidos e abismos.

É coisa para bons observadores.

Se permite, acho que não é uma questão de pouca absorção, você aprendeu a filtrar o que absorve.

E que lindeza esse espaço, volto.

CLARO.

Dan Porto disse...

Aprecio muitíssimo a urbanidade de tua poesia.

Talita Prates disse...

Não sei quanto às outras almas,
mas o teu olhar atinge em cheio a minha.

Em tempos outros, foi "Tabacaria".
Hoje, são bares e lanchonetes.

E a tua genialidade me faz lembrar o grande poeta de Lisboa.

Um beijo.

Ígor Andrade disse...

Loridane, grande abraço!

Ígor Andrade disse...

Valeu, Dan. Abraço!

Ígor Andrade disse...

Talita, nem sei o que dizer...
Abração!

Lara Amaral disse...

Nossa, perfeito! Adoro encontrar-me em tua poesia, porque é em cheio!

Beijo.

Ígor Andrade disse...

Saudade da sua poesia, Larinha...
Abração!