terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Pesadelo por um triz



Quase te matei.
Quase você morreu.
Quase que a noite se perdeu 
na minha cama.
Quase como uma pancada de espanto
te espantei para todo o sempre.
Quase tudo isso.
Quase ofegante.
Quase tudo antes.
Quase nada 
é tudo o que temos.




Ígor Andrade

_______________________________________________________________________________

Um comentário: