quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Esqueletos


No calor o poeta
escreve melhor.
Suor que escorre no pescoço.
Garganta que não vive sem um nó.

Nunca estou só.
Minha mente é uma boa companhia.

Outro dia plantei sementes
com o olhar -
outro dia...
Já não me desespero mais.
Ando vivendo calmarias
(esquisitas).

Desde a explosão Cambriana
os crepúsculos são todos iguais
e diferentes.

Pouco se sabe.
Muito se sente.
Mente quem sente que sabe.

Não quero mais nada.

Eu perco o chão
e acho uma palavra.
Eu perco uma palavra
e encontro um céu.

O chapéu
de um velho
entende a vida que passou.
Hoje compreendo
a calvície de meu pai.

Tudo vai
e vem
como esta tarde.



Ígor Andrade

______________________________________________________________________

4 comentários:

Keylla Bins disse...

texto que toca e me lembra belas verdades...visitar seu blog é um convite a sutileza..

Fabio Rocha disse...

Um poema tal qual estar na rede, balançando. Abração

Luiz Guilherme Libório Alves disse...

Muito Foda!!!!!!

Marcelino disse...

"os crepúsculos são todos iguais/e diferentes" Excelente tirada, poeta, pois nos lembra que o diferente está no olhar de quem vê, na forma como se olha algo que é cotidiano e ancestral à realidade humana.