sexta-feira, 11 de abril de 2014

Warehouse


Para o amigo-irmão-herói Magela Osterno.


Metade de mim
quer ser
como a metade de você.

Um homem do tempo
outro.
Sujeito sem tempo
certo.
Artista do tempo
próprio.

Sem ódio, orgulho ou ópio.
Viver para criar.

Todo ouvido quer caminhar
e você sabe disso.

Metade de mim
quer ser
como a metade de você.

Uma metade que esconde
metade da arte
embaixo da cama.
Um infeliz que ama
o som da vida.

Um filósofo magro e cansado
sem volta e sem ida,
que passa os dias encarando o escritório...

A música é o território
dos fortes silenciosos.

Metade de mim
quer ser
como a metade de você.
E ponto.

Estar sempre pronto
para acreditar
na esperança das melodias.


Ígor Andrade

_____________________________________________________________________________

O Zé Ninguém


Não tenho dinheiro.
Mas vivo bem.


Ígor Andrade

_______________________________________________________________________________

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Bem-te-quis


A vida plena.
A vida sem pena.
O vôo.


Ígor Andrade

___________________________________________________________________________

terça-feira, 8 de abril de 2014

Defeito constitucional


Não vou mais me cobrar.
Quem cobra acaba não fazendo.
É mais uma questão de ego
do que uma gestão de ser vago.
Porque depois que esvazia o lago
da noite
eu simplesmente apago
a trilha sofrida
que eu não fiz.
A madrugada é minha meretriz.
E eu não vou mais me olhar.
Não quero saber quem sou
(tenho medo).
Muito menos saber quem fui.
Meu silêncio dilui
todo ódio que sinto
do que não escrevo.
Um covarde em alto-relevo
assim como todo mundo.
E tudo que é imundo
habita o mais cego e paterno
sentimento de criar
o que não nasce da gente.
Eu não minto.
Mas você mente.
O que é a verdade?


Ígor Andrade

_______________________________________________________________________________