segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Simple man


Para Thiago Andrade, Magela Osterno e Igor Macedo.
(Antes ou depois do poema escutem Simple Man de Lynyrd Skynyrd.)


Qual o sentido da vida?

Sentir
sem fazer sentido.
E seguir.

Porque homem que é homem caminha pra frente.

E lá na frente
a gente compreende
que só sabe para onde vai
e só sabe o que a gente quer
quando descobre de onde vem.

Não queremos.
Nascemos
sem querer.
E morreremos sem entender
todo sentido de destruição humana.

O homem é um bicho que implica com a guerra.
O homem enterra
tudo que ama.

A mesma religião que salva
também engana
e mata.
A mesma ciência que não explica
também complica
e falha.

Quem aprende a lutar vive em harmonia? Com o quê?
É preciso precisar para perceber?

Ah... Eu acho que tanto faz.

O homem que criou o prêmio Nobel da Paz
foi o mesmo infeliz que inventou a dinamite.

Explodir é a evolução?
Ter ou não a noção
de mandar tudo pelos ares.

Amores, favores, amares...
Há males
que vêm para o bem.
O dia vem
a gente querendo ou não.
Ponto.

Viver é consciência.
Viver é estar pronto.
Estar vivo é peso.
...
Seguir com leveza
talvez seja
o sentido
sem fazer sentido.

A vida é assim:
A gente pega o que sabe e tenta reaprender.
Pega tudo que fizeram com a gente e tenta não fazer
com o outro.

Somos os outros
e os mesmos.
Um tal de nós mudos
num presente sem futuro
mas com um passado chato.

Somos sonhos que não vamos realizar.
(A gente sonha pra dormir ou dorme pra sonhar?)
Ou vamos realizar o que nunca sonhamos.

Somos o que não dizemos,
somos o que não somos
e isso não faz muita diferença no fim da estrada.

A estrada é longa e passa rápido.
E parece que depois dos trinta
gastamos quase tudo que ganhamos
com farmácias, multas e prestações de qualquer coisa.

Até lá eu só sei
que os dias bons
(que são poucos)
podem superar os dias ruins
(que são muitos).

Os melhores humanos não morrem nunca.


Ígor Andrade

____________________________________________________________________________

3 comentários:

Igor IgorMadMax disse...

Muito bom cara! Singelo e complexo ao mesmo tempo, profundo e cheio de razões com suas incertezas pertinentes. Gostei! Obrigado pela homenagem! Na parte do "o infeliz" rs imaginei vc falando kkkkk

Igor Macedo

Geraldo Magela disse...

Fantástico! Obrigado pelo poema e dedicatória. Agora vou escutar Simple Man.

Andressa disse...

Sábias palavras, poeta.
Fez um bem, ler e parar um tico...

Ler, ouvir e refletir...
Viver é complicadamente simples. Como nós, homens, precisamos de lucidez pra aproveitar a leveza e viver.