segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Neurastenia sorridente


Eu sei quem sou
na madrugada.
Hoje e sempre talvez.
E isso parece muito.

Janela silenciosa
e rua vazia.
Perna quebrada
e braço forte.

O mundo mente.
Sou só.
Sobrevivente
e egoísta.
Faço vista grossa
para qualquer coisa
que não me faça verso.

Eu peço pouco
e por isso desconheço
o sofrimento do amanhecer.


Ígor Andrade

_____________________________________________________________________________

Nenhum comentário: