terça-feira, 8 de abril de 2014

Defeito constitucional


Não vou mais me cobrar.
Quem cobra acaba não fazendo.
É mais uma questão de ego
do que uma gestão de ser vago.
Porque depois que esvazia o lago
da noite
eu simplesmente apago
a trilha sofrida
que eu não fiz.
A madrugada é minha meretriz.
E eu não vou mais me olhar.
Não quero saber quem sou
(tenho medo).
Muito menos saber quem fui.
Meu silêncio dilui
todo ódio que sinto
do que não escrevo.
Um covarde em alto-relevo
assim como todo mundo.
E tudo que é imundo
habita o mais cego e paterno
sentimento de criar
o que não nasce da gente.
Eu não minto.
Mas você mente.
O que é a verdade?


Ígor Andrade

_______________________________________________________________________________

Um comentário:

Webert Gomes disse...

E essa ausência que não mente a sua verdade? Volta mais não?